Conhecida como a porta de entrada para a Amazônia, a cidade de Belém é um universo bem particular do Brasil, já que mesmo com um ar de metrópole mantém viva as características culturais muito marcantes. E com certeza esse é o principal fator que leva milhares de pessoas a visitá-la e se apaixonar por ela.

Siga o Roteiros Possíveis no Instagram @roteirospossiveis.

A capital paraense, apesar das notícias um tanto exagerada de que é uma cidade violenta, onde o turista deve ficar o tempo todo de olho vivo, tem muito a oferecer a todos que chegam por lá. Além de uma culinária bastante peculiar, uma cultura que vai além de coisas de índio, há também de se apreciar sua arquitetura e o modo de vida desse povo acolhedor.

Vejamos 10 motivos para o quanto antes sua passagem para Belém.

Hans Von Manteuffel1 – MERCADO VER-O-PESO

Talvez essa seja o primeiro nome que venha a cabeça de qualquer pessoa quando se lembra de Belém. E não é à toa. O mercado é muito representativo do povo paraense. As cores, os cheiros os sabores dessa terra estão representados ali pelas frutas, pela gastronomia, pelas essências e todos aqueles banhos que podem até trazer seu amor de volta. Vele passar umas horinhas experimentando castanhas, saboreando açaí com peixe, comprando algum souvenir feito com matérias primas típicas da região.

roteirospossiveis590.JPG2 – MANGAL DAS GARÇAS

O parque é um dos mais bonitos da cidade e representa muito bem os ecossistemas da região amazônica, como as áreas de várzeas, por exemplo. Há ali espaços como o borboletário, com solta de espécies às 10h e às 16h. Uma forma de ver o local em sua plenitude é subir no farol, feito de estrutura metálica com 47 metros de altura. Também aconselho ir ao Mirante que se estende por 100 metros até o rio Guamá.

tacaca.jpg3 – GASTRONOMIA

Os sabores da cozinha amazônica são maravilhosos. Cito dois pratos que estão presentes no cotidiano de Belém. O primeiro é o tacacá, uma espécie de caldo feito com o tucupi, goma de tapioca, servido com jambu e camarão seco. Às 5h da tarde é quando os belenenses se sentam para tomar a iguaria. Outra opção é a maniçoba que lembra a famosa feijoada. Em vez de feijão, tem folhas de mandioca. O processo de preparo demora dias. Outra dica é a Cachaça de Jambu, que dá uma dormência na boca.

roteirospossiveis588.jpg4 – BASÍLICA DE NAZARÉ

Para quem não vai à Belém na época do Círio de Nazaré, não deve deixar de visitar a igreja da Nazinha, como é carinhosamente chamada a virgem pelos belenenses. A imagem achada em 1700 fica no topo do altar, protegida por um vidro blindado. A igreja foi construída com mármore vermelho e tem pinturas e mosaicos muito bonitos, como o da meia cúpula acima do altar. Para quem gosta de fazer fotos legais, em frente da igreja fica um gradeado nos as pessoas amarram fitinhas coloridas.

5 – CIDADE VELHA

A região histórica de Belém é conservada. Entre os prédios destaco os que ficam no entorno da Praça Frei Brandão, entre eles o da Catedral Metropolitana de Belém, a Casa das Onze Janelas, o Forte do Presépio, o Museu de Arte Sacra, o Museu do Círio e o Museu da Imagem e do Som. Nas ruas e praças próximas também guardam casarões colônias e igrejas que também merecem a atenção de quem visita a cidade.

elza_lima6 – THEATRO DA PAZ

Este foi a primeira casa de espetáculos construída na região amazônica, como todo luxo e pompa proporcionado pelo dinheiro que circulava durante o ciclo da borracha. Inspirado no Teatro Scalla de Milão (Itália), o teatro tinha capacidade para 1.100 pessoas, hoje comporta apenas 900. Tem uma acústica perfeita, lustres de cristal, piso em mosaico de madeiras nobres, afrescos nas paredes e teto, dezenas de obras de arte, gradis e outros elementos decorativos revestidos com folhas de ouro.

LEIA MAIS: Conheça 5 motivos para conhecer São Luís

roteirospossiveis589.JPG7 – ESTAÇÃO DAS DOCAS

Os antigos armazéns do porto de Belém foram restaurados e transformados num grande complexo cultural da cidade onde autóctones e turistas se misturam e aproveitam o melhor de Belém, desde a música, a gastronomia, o artesanato e tantas outras especialidades paraense. E tem ar-condicionado. Sente-se ali para provar os sabores diversos dos sorvetes Cairú, para ver o rio que mais parece mar tamanha sua imensidão.  Dali, partem os barcos de passeio pela orla da cidade.

8 – MERCADO MUNICIPAL FRANCISCO BOLONHA

O que nos leva ao mercado sem dúvida é a sua arquitetura maravilhosa, feita em ferro. Por fora, a alvenaria comum dos mercados colônias do Brasil, mas por dentro a nova estrutura lembra alguns mercados europeus. Os quatro pavilhões servem aos vendedores de carne. No centro deles há um mirante, com uma escada helicoidal em art nouveau.

viajantecomum.jpg9 – PASSEIO DE BARCO NO ENTARDECER

Às 17h30 saem os barcos que passam por várias partes da cidade que é cortada por rios, como Ver-o-Peso, Forte do Presépio, Casa das Onze janelas, Cidade Velha, Porto do Sal, além da Estação das Docas. O legal é que ao longo de duas horas dá para ver a cidade de um ângulo diferente ao som do famoso carimbó. Aliás, dançarinos mostram como se dançam o ritmo caliente.

carlos.jpg10 – PARQUE ZOOBOTÂNICO EMÍLIO GOELDI

Essa grande área verde encrustada no meio da região central de Belém guarda um grande centro de pesquisa e exposição sobre a fauna e flora amazônica. Ali é possível ver espécies de plantas, como as grandes vitórias-régias, e de animais, como onça-pintada, jacaré-açu, antas, macacos, cutias e lagartos – estes dois últimos andam soltos entre os que visitam o local. Há um aquário e um centro de exposições com mostras temporárias.

Gostou do post? Então curta e compartilhe-o. Assim você também ajuda a divulgar o blog. Aproveite siga o Roteiros Possíveis pelas redes sociais.

Instagram: https://www.instagram.com/roteirospossiveis/
Facebook: https://www.facebook.com/roteirospossiveis/
Twitter: https://twitter.com/blogroteirospos/
Pinterest: https://br.pinterest.com/roteirospossveis/pins/

Imagens: Anderson Corrêa / Hans Von Manteuffel / Elza Lima / Cris Andrade / Carlos Macapuna / Reprodução da Internet