Esse é o principal cartão-postal de Vila Velha, e porque não dizer da Região Metropolitana de Vitória. Tudo porque o convento e a igrejinha ficam no alto do morro (154 metros de altitude e a 500 metros do nível do mar), à beira da foz do Rio Santa Maria, na Baía de Vitória. A ideia de edificar a construção ali foi do Frei Pedro Palácios, vindo de Portugal.

Siga o Roteiros Possíveis no Instagram @roteirospossiveis

No alto, é possível ter uma vista panorâmica da grande Vitória, incluindo a famosa Terceira Ponte, que liga Vila Velha à capital, e a Fábrica Garoto. A vista é muito bonita. Há no lugar uma boa infraestrutura com banheiros e lanchonetes.

Tombado como Patrimônio Cultural da Humanidade, a Igreja e o Convento foram restaurados recentemente. O altar-mor foi feito em estilo rococó, com muita madeira. Há várias celebrações durante o dia na Igreja. E não há bancos para acomodar os fiéis, por isso essas celebrações são curtas. O destaque é a janelinha no final do corredor, onde se tem um enquadramento da cidade de Vila Velha. O local é muito concorrido para as fotos.

convento_philippe_modoloHá no local um museu, que guarda objetos do acervo histórico do Convento, selecionados nas raras coleções que documentam o cotidiano do Santuário, por mais de quatrocentos anos; a Sala dos Milagres, onde os devotos deixam seus votos de agradecimentos; e ainda as ruínas da senzala onde ficam os escravos que trabalhavam no convento nos séculos passados.

POR ONDE SUBIR?

Centenas de pessoas passam por ali diariamente. Mas chegar ao alto do morro é uma tarefa que pode ser superada em três níveis de dificuldade. A primeira e mais difícil é a “Ladeira da Penitência”, um passeio estreito e muito íngreme de 457 metros, feito de pedrinhas não muito uniformes. A ladeira serpenteia o morro, no meio da Mata Atlântica, podendo-se avistar durante o percurso animais como macaquinhos e uma diversidade de pássaros. Mas o que tem de bonita, tem de cansativa. É preciso ter fôlego e preparo físico. Dom Pedro, quando esteve ali, caminhou por essa ladeirinha.

roteirospossiveis326.JPGA segunda opção, de dificuldade mediana, é a subida pela via principal, por onde também passam carros. Essa é maneira mais comum de subir. Muita gente prefere essa forma. Eu, por exemplo, optei por ela. Ainda assim, para quem não tem costume de caminhar, pode cansar um pouco. Na minha segunda vez, levei minha sobrinha com alguns meses de vida no colo. A sorte é que o ambiente é agradável por causa da mata que circunda o morro. Só tome cuidado com os carros que passam ao lado. Existem uns banquinhos em pontos estratégicos para descansar.

roteirospossiveis327.JPGMas quem não está muito disposto ou fica impossibilitado de caminhar tanto, a maneira mais fácil de chegar até o alto é ir de carro particular ou pegar uma van. As vans ficam à espera na entrada do Santuário, com saídas de 15 em 15 minutos. A passagem custa menos de R$ 5,00.  Há um estacionamento próximo ao convento. Mas aos domingos, quando o fluxo de visitantes é maior, carros são proibidos de subir.

Existem duas entradas: Pelo Portão Antigo, próximo ao Batalhão de Infantaria, é por onde se tem acesso à Ladeira da Penitência. O portão foi construído em 1774, com detalhes em relevo. O segundo acesso é pela Rua Vasco Coutinho. Essa é a principal entrada para o Convento. Há um portal construído em 1952, cuja estrutura arquitetônica retrata o estilo de construção dos anos 50, porém imitando o portal antigo que foi construído.

roteirospossiveis328a.JPGINFORMAÇÕES: Os portões abrem das 5h15 às 16h45 (segunda a sábado) e das 4h15 às 16h45 (aos domingos). A secretaria está em funcionamento diariamente das 7h30 às 17h00. Tel.: (27) 3329-0420. A entrada principal fica na Rua Vasco Coutinho, S/Nº, Prainha, Vila Velha.

E aí, diga o que você achou deixando seu comentário. Ajude o blog e compartilhe-o pelas redes. Aproveite curta e siga o Roteiros Possíveis pelas redes sociais. É grátis e não dói nada.

Instagram: https://www.instagram.com/roteirospossiveis/
Facebook: https://www.facebook.com/roteirospossiveis/
Twitter: https://twitter.com/blogroteirospos/

Imagens: Anderson Corrêa / Philippe Modolo / Reprodução da internet

P.S. Minha câmera fotográfica achou um novo dono na minha última passagem por Vila Velha, por isso, utilizo fotos da visita que fiz em 2014 e reproduções da internet para ilustrar o post.

Anúncios