Antes que me massacrem por minha humilde opinião, devo dizer que o Museu do Vaticano (ou Museus) é fascinante. É preciso fôlego para aguentar tantas horas visitando suas galerias. Sim. Fiquei três horas ali dentro, admirando cada peça do acervo, inclusive a Capela Sistina. Mas devo confessar que, para mim, ela não é essa maravilham que todos pintam. Esperava mais dela. Mas tudo bem. Vamos às praticidades.

Primeira coisa que deve saber sobre o Museu do Vaticano é que tão enorme quanto a sua área (dois palácios e mais de 7km de exposições), é a fila que se enfrenta para entrar nele. Mas com exceção da morte, para tudo dá-se um jeito, não é assim que dizem? Se você pretende visitar o museu, é importantíssimo que compre com antecedência o ingresso pela internet ao custo de € 16,00 (inteira) + € 4,00 (taxa de reserva obrigatória). Desta forma terá data e hora para comparecer à portaria e não ficar tanto tempo na fila. Sim, porque mesmo você fazendo isso, aguardará na fila o seu horário. Uma fila que dá voltas em torno do museu, mas que para nossa alegria anda depressa. Agora se você deixar para comprar seu ingresso na hora, some aí mais algumas horas de espera.

roteirospossiveis211Segunda coisa a saber sobre o museu é que terá de passar por um detector de metais. Por isso evite levar coisas que possam encrencar você. Leve na bolsa o estritamente necessário.

roteirospossiveis204Passando pela bilheteria, você pode alugar um áudio-guia por € 7,00 (há opções em várias línguas, inclusive o português). Pegue também o mapinha do museu, pois vão  ajudar você a se guiar pelos diversos salões e galerias do local. O museu é dividido por áreas de acordo com a localidade e o tempo, além de estilos e tipos de obras. Por exemplo, tem a coleção egípcia, os afrescos de Rafael, a galeria de esculturas gregas e romanas, a pinacoteca com quadros dos mais renomados artistas de todos os tempos, coleção de cartografia, etc.

roteirospossiveis206.JPGHaverá duas opções a seguir pelo museu: uma mais curta e uma mais longa, que inclui os afrescos de Rafael. Se eu fosse você, iria pelo caminho mais longo. Veja só o que aconteceu a tal Chapeuzinho, quando quis pegar o caminho mais curto. E atenção para as obras que aparecem o número 100 em vermelho, como na foto abaixo. Essa é a indicação de que se trata de uma das 100 obras mais importantes do museu. Atente-se a elas um pouquinho mais.

roteirospossiveis207.JPGAh, todos os caminhos te levam ao ponto final da visita: a Capela Sistina. Acho que fazem de propósito, para que fique o menos tempo ali. Depois de caminhar por horas, com as pernas cansadas, provavelmente não se demorará muito com o pescoço esticado e com a cabeça virada para cima à procura das principais obras no teto da sala sacra.

Mas como você, viajante, já deve saber, eu fiquei meio decepcionado com aquela sala. Não nego a importância daquele trabalho artístico de grandes nomes da arte mundial. Quem sou eu para dizer o que é feio ou bonito ali. Mas eu esperava mais, muito mais da sala. Os afrescos parecem assim meio bagunçados. Foi frustrante saber que “A criação do homem” (a obra que eu mais queria ver) compreende alguns metros da cúpula da sala, e que parece ainda menor visto do chão de tão longe que fica. Mas, frustração de lado, foi emocionante estar naquela sala e saber que se trata do local onde é realizado os conclaves para escolha dos papas.

Ah, como já deve saber, é proibido fazer fotos ali. Se tentar, os guardinhas vão gritar, apitar e fazer você passar vergonha apagando a foto de seu celular ou da máquina fotográfica que carrega. E os shiiii!! são tantos que até incomodam. O povo sabe que não se pode fazer barulho, mas não adianta muito, não. Mas se você for educado, vai poder contemplar as obras em silêncio e quem sabe chegar aos céus.

roteirospossiveis208

roteirospossiveis209Para concluir, chegar ao Museu do Vaticano, a partir de Roma, é muito simples. Pegue a linha A (vermelha) em direção à Batistini e desça na estação Ottaviano ou Cipro. Saindo, é só seguir as placas que indicam o caminho até as bilheterias e a entrada. O Museu só não funciona aos feriados e datas comemorativas, nem aos domingos, com exceção do último de cada mês, quando a entrada será gratuita e bem concorrida. Mais informações aqui nesse link.

roteirospossiveis210CURIOSIDADE – A escultura O Grupo de Laocoonte (na imagem abaixo) é a primeira obra das coleções dos Museus do Vaticano. De autoria de Agesandro, Atenodoro, Polidoro, foi esculpida por volta de 40 a.C. Estava perdida, mas foi encontrada em pedaços em 1506 em um vinícola em Roma. A estátua representa Laocoonte e seus dois filhos, Antífantes e Timbreu, sendo estrangulados por duas serpentes marinhas, uma lenda da Guerra de Troia também relatada na Eneida, de Virgílio.

roteirospossiveis212

roteirospossiveis198Gostou do post? Ajude o blog e compartilhe-o pelas redes. Aproveite curta e siga o Roteiros Possíveis pelas redes sociais. É grátis e não dói nada.

Instagram: https://www.instagram.com/roteirospossiveis/
Facebook: https://www.facebook.com/roteirospossiveis/
Twitter: https://twitter.com/blogroteirospos/

Imagens: Anderson Corrêa

Anúncios