Apesar de Madrid ser uma cidade grande, o seu centro histórico, pelo menos os pontos de maior interesse, pode ser conhecido num tour a pé de algumas horas. Tanto que fiz isso duas vezes, no primeiro e no último dia da minha estada na capital espanhola. Um deles foi um tour guiado, daqueles “free” que você paga o que quiser no final do percurso. Existem empresas que trabalham com percursos diferentes.

Não esqueça de seguir @roteirospossiveis no Instagram.

O ponto de partida foi a Puerta del Sol, a praça onde se encontra o marco zero das estradas espanholas. Os maiores interesses dos turistas são a Real Casa de Correos, o prédio mais bonito desse logradouro, com sua torre de relógio imponente, no meio da praça, e a concorrida estátua El oso y el medroño (O urso e o medronheiro), um símbolo que aparece em escudo da cidade. Para quem tiver interesse, ao lado da estátua fica a loja da Apple.

roteirospossiveis168Seguimos para o lado oposto da estátua, descendo pela Calle del Arenal, fechada para carros. A rua tem lojinhas, restaurantes, chocolaterias, igreja e, lá no final, o Teatro Real. Pode-se fazer visita ao interior do teatro, mas nosso guia preferiu não entrar, e continuamos o passeio.

Teatro RealEstávamos em seguida na Plaza del Oriente, praça histórica do século XIX que separa o teatro e o Palácio Real. O logradouro possui um jardim francês cercado por esculturas de antigos monarcas espanhóis, entre elas o Monumento a Felipe IV, considerada a primeira escultura em que o animal está em posição de corveta, quando o cavalo se levanta apoiando-se apenas nas patas traseiras.

Após uma volta pela praça, passamos em frente ao belo Palácio Real de Madrid, que é aberto ao público. Infelizmente não consegui fazer a visita, mas o guia contou como deveríamos proceder para entrar no espaço. Ao lado do Palácio está a Catedral de Madrid, denominada Catedral de Santa Maria a Real de Almudena. Passamos ainda pelo viaduto e pela Vistilla, de onde se tem um vista bonita da igreja.

roteirospossiveis169Ultrapassando algumas ruelas, chegamos a medieval Plaza de la Villa, com seus edifícios em diferentes estilos arquitetônicos e de grande valor histórico. Foi nessa praça que “nasceu” a prefeitura da cidade. Nela estão três construções importantes: a Casa y Torre de los Lujanes, que foi propriedade de uma nobre família da cidade, considerado o edifício mais antigo de Madrid; a Casa de la Villa de Madrid, que foi sede da prefeitura da cidade até 2008, antes de mudar para o atual Palacio de Comunicaciones; e a Casa de Cisneros, que mais tarde foi comprada pelo governo de Madrid e recebeu reformas para integrá-la à Casa de la Villa, sendo construído um arco na Calle Madrid que interliga os dois prédios.

roteirospossiveis170O tour está quase chegando ao fim. O próximo ponto de interesse é o Mercado de San Miguel. Inicialmente foi pensado para ser um mercado de pescados aberto, mas depois de reformas, hoje recebe restaurantes e bares. O mercado foi construído com estrutura de ferro, mas quase foi destruído se não fosse a intervenção de um grupo de empresários que decidiu reformá-lo.

Mercado4A última atração do tour é a Plaza Mayor, do lado do Mercado de San Miguel. Esta é a principal e mais concorrida praça da cidade, onde se encontra alguns dos restaurantes pega-turistas mais caros da região e nem sempre com tanta qualidade. Dois edifícios destacam ali, a Casa de Panadería e a Casa de la Carnicería, um de frente para outro. No meio da praça está a famosa estátua de Felipe III.

DSC07091Chegamos ao fim do free tour, na Plaza de Pontejos. As vantagens desse free tour são as histórias contadas pelos guias. A pressa deles é uma desvantagem, já que não se demoram muitos em alguns pontos que para mim eram mais interessantes. Se você tiver um guia de bolso, consegue fazer o passeio tranquilamente sem desembolsar nada por isso, fazendo o percurso com mais tranquilidade e parando até para fazer um lanche.

E aí, gostaram? Compartilhe este post em suas redes sociais e ajude a divulgar o Roteiros Possíveis. Até as próximas dicas!

Imagens são de Anderson Corrêa e reprodução da internet.

 

Anúncios