Ouro Preto é uma cidade encantadora, mas cheia de ladeiras. Precisávamos estar preparados para o longo dia de caminhadas. No post anterior, contei como foi o nosso primeiro dia na cidade histórica mineira. Se não viu, confira aqui. Agora vou relatar como aproveitamos o dia para conhecer os principais pontos turísticos da cidade. Em uma e uma tarde conseguimos ver muita coisa. Se tiver pouco tempo na cidade e seguir nosso roteirinho, você conseguirá sair satisfeito. Creio eu. Pois eu saí. Vamos lá?

Já seguiu o @roteirospossiveis no Instagram?

Depois do tomar café da manhã no hostel, saímos para conhecer as igrejas e museus da cidade. Confesso que ficar entrando em um monte de igreja é cansativo. Então, escolhemos algumas para otimizar o tempo. No fim das contas, acabam sendo muito semelhantes. A primeira parada foi a Casa dos Contos, pertinho do hostel. Já havíamos entrado lá na tarde anterior, mas apenas na exposição do térreo, que ficou aberta até um pouco mais tarde. Desta vez, visitamos todo o museu.

roteirospossiveis107CASA DOS CONTOS: O museu é dividido em três partes. Uma para exposições temporárias (que visitamos no dia anterior), a outra que conta a história das moedas brasileiras até a chegada do Real, e no subsolo uma exposição particular com instrumentos e artefatos do período colonial que incluía instrumentos de tortura de escravos. É estarrecedor ver tudo aquilo. Aos fundos do museu está a entrada para o Parque dos Hortos. Não chegamos a conhecer.

O museu fica em um casarão muito bonito. O local foi casa do cobrador dos impostos da Capitania de Minas Gerais, também sede da Casa de Fundição e da Administração Pública da Capitania de Minas Gerais. Mais tarde, parte de suas dependências serviu de prisão para os inconfidentes, como Álvares Maciel, Luiz Vieira da Silva, Padre Rolim e Cláudio Manuel da Costa, este foi encontrado morto em um dos quartos.

roteirospossiveis108PRAÇA TIRADENTES: Seguimos o mesmo caminho do dia anterior, em direção à rua Conde de Bobadela (Rua Direita), que dá acesso à Praça Tiradentes. Nela estão muitas lojinhas de suvenires, cafés e restaurantes. Paramos só para algumas fotos e fomos logo para o Museu da Inconfidência, mas não sem antes admirar a praça que tem no seu centro o monumento a Tiradentes, com a imagem do inconfidente que teve naquele local sua cabeça exposta ao público como exemplo do que acontecia com aqueles que iam contra à Coroa.

roteirospossiveis109MUSEU DA INCONFIDÊNCIA: Em frente ao monumento encontra-se o Museu da Inconfidência, uma das mais belas construções da cidade. Construído entre 1785 e 1846, o casarão serviu à antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, como era chamada Ouro Preto. Hoje, museu, reúne um acervo muito grande que conta um pouco da história do nosso país. A pesar da inconfidência não ter se concretizado de fato, há uma justa homenagem aqueles que tentaram fazer o país independente. Entre os documentos, estão os Autos da Devassa da Inconfidência Mineira e um dos exemplares do livro que inspirou os inconfidentes. Há também um Panteão com os despojos deles. A entrada custa R$ 10. Professores, estudantes e idosos pagam meia. Para quem gosta de história. Se não, admire apenas a fachada.

roteirospossiveis115FEIRINHA DE PEDRA SABÃO: Saímos para caminhar um pouco mais pela cidade até encontrar a Feirinha de Pedra Sabão, em frente à famosa Igreja de São Francisco de Assis. O local é ideal para quem quer comprar artefatos feitos com a pedra. Mas há também outros tipos de artesanato. Tome cuidado apenas com os preços. Se ainda tiver tempo, entra na Igreja. Mas ela fecha ao meio-dia e abre às 13h30. Como não teríamos tempo, resolvemos almoçar primeiro.

roteirospossiveis111ALMOÇO NO BENÉ DA FLAUTA: O almoço foi no excelente Bené da Flauta. O restaurante fica ao pé da ladeirinha ao lado da Igreja de São Francisco, na rua que leva o nome do santo. Localizado em sobrado colonial muito bonito, o espaço proporciona, pelo menos no piso superior, um vista linda da cidade. De onde quer que você olhe, haverá sempre uma surpresa. O restaurante serve a comida tradicional mineira. Pedimos, de entrada, uma saladinha, e como prato principal, claro, o feijão tropeiro. Uma delícia. Saímos satisfeitos. O almoço custou R$ 160,00 (para três pessoas). Além de mim e da Eliete, esteve com a gente a Nathália (mochileira de Sampa). Recomendo mesmo o lugar.

roteirospossiveis112IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS: O passeio pela tarde começou com a visita a Igreja de São Francisco de Assis, a mais famosa da cidade. Tem obras de Aleijadinho, como quase todas as igrejas da região, e um pequeno museu na lateral do templo. As obras de Aleijadinhos e todas as esculturas e imagens são belas, mas eu confesso que não me empolguei muito com a visita, não. Ah! Não pode tirar fotos dentro da igreja, igualmente aos outros templos da cidade.

A gente tentou visitar o Museu do Aleijadinho, mas estava fechado. Então continuamos percorrendo essa parte mais baixa da cidade. Encontramos uns recantos muito bonitos, com chafariz, casarões antigos e outros espaços que mostram a beleza de uma cidade histórica. E mais ladeiras para subir e descer, evidentemente.

roteirospossiveis113MUSEU DO ORATÓRIO E IGREJA DO CARMO: Decidimos, então, ir à Igreja do Carmo, mas estava fechada. Aí encontramos o Museu do Oratório, no adro da igreja (ao lado). O casarão de três andares foi moradia de Aleijadinho durante algum tempo. A exposição mostra a tradição brasileira de fazer oratórios em tudo quanto é tipo de espaço. Até em uma cápsula de bala. Acredite se quiser. O museu é bonito e cheio de detalhes. O ingresso para o museu é R$ 5,00. Estudantes e professores não pagam. Ah, tem banheiro bem limpo e água à vontade. Não precisa pagar para usar. Isso é bom, não é viajante?

roteirospossiveis114LANCHE NA CHOCOLATES OURO PRETO: Ficamos ainda um tempinho ali pela praça, vendo passar dos transeuntes. Entramos em umas lojinhas para ver o artesanato e fazer umas comprinhas. Já ao entardecer, decidimos tomar mais um chocolate, desta vez na Chocolates Ouro Preto. Sentamos diante uma janela que nos dava uma vista bonita da Praça Tiradentes. O chocolate estava delicioso. De acompanhamento, pedimos, obviamente, pão de queijo, siô. Mais tarde, fomos comprar doces. Ah, muitas lojinhas na rua Conde de Bobadela (Rua Direita), mas os preços são um pouco mais caros do que em Belo Horizonte. Mas fiquei com receio de não conseguir comprar em BH. Daí, comprei tudo ali. Quando visitamos o Mercado de BH no dia seguinte bateu aquele arrependimento. Essas coisas que acontecem com os viajantes.

roteirospossiveis116IGREJA DE NOSSA SENHORA DO PILAR: Quando anoiteceu, resolvemos voltar para o hostel. Antes, demos uma passada pela Basílica de Nossa Senhora do Pilar, que tem um altar-mor todo em ouro. Talvez a mais bela e rica da cidade. Conseguimos entrar porque haveria uma missa. E fomos convidados pelo padre que estava na porta. Ha ha. Mal sabendo ele que não iríamos ouvir o seu sermão. Só queríamos tirar uma fotinho daquela belezura (mesmo com os cartazes de proibido tirar fotos). Detalhe, ah uma escadaria enooooorme para chegar até a igreja. Tivemos de descer e depois subir.

Jantamos ali ao lado, em um restaurante/pizzaria, pois já não tínhamos pique para ir mais longe. As pernas já estavam doendo e o cansaço de tantos dias de viajem já estava batendo. Sem falar que a cidade estava meio parada naquele domingo à noite. Mas não tínhamos do que reclamar. A visita à Ouro Preto foi muito divertida e encantadora. Espero voltar para fazer os passeios que não conseguir fazer. Inclusive pegar o trem e percorrer a Estrada Real.

Gostaram do relato? Curtam e comentem! A opinião de vocês é importante. Abraços.

Anúncios