Que beleza é a Praia da Lagoinha do Leste. Um rincão do Brasil bastante desbravado, mas, contudo, preservado. A faixa de areia reservada e protegida por um morro ao sul de Florianópolis, em Santa Catarina, é banhada por águas geladas e de tom esverdeado que provocam as mais distintas sensações em seus visitantes. Eu mesmo fiquei impressionado com a beleza paradisíaca do lugar. Parecia até cenário do filme A Lagoa Azul.

Já seguiu o @roteirospossiveis no Instagram?

Chegar lá foi uma aventura e tanto. Primeiro, algumas pessoas do grupo em que estava me fizeram pegar o ônibus errado. Fomos parar no Centro. Perdemos quase uma hora de viagem. Mas enfim, depois de tantas baldeações nos terminais, finalmente chegamos a um dos pontos de acesso à praia. Existem duas trilhas para chegar ao local, ou ainda pode-se optar de usar transporte marítimo. Mas bem, escolhemos caminhar. A trilha mais longa (Matadeiro) tem duração de mais de duas horas, e segue pelo alto do morro. Já a menor (Pântano do Sul), a que nós escolhemos, atravessa o morro, com extensão de 2,2 km. A caminhada dura em média 50 minutos.

Bem o caminho é um pouco íngreme, e quem não tem o costume de fazer atividades físicas vai sentir um pouco de dificuldade. Aconselho ir de tênis. A trilha já tem umas escadas feitas com pedras que ajudam a travessia. No meio do caminho, alguns riachos e brotos d’água matam a sede e o calor (se estiver indo no verão). Mas o pedaço de Mata Atlântica deixa o ambiente úmido e um pouco geladinho em alguns trechos.

Depois da primeira tarde em que se sobe o morro, chega-se ao alto da montanha e já se vê a praia lá em baixo. Momento para as fotos aí. A motivação começa a ser renovada nesse ponto, depois de você, talvez, querer desistir da caminhada. Mais ainda falta um bom pedaço do caminho a trilhar. Mas logo, logo, a areia fofa vai cobrir seus pés. No lugar não há infraestrutura de bares. Quando chegamos, havia apenas uma barraquinha de um grupo de surfistas, ou sei lá o que eles eram, que tinha um isopor com refrigerante, cerveja e água. O olho da cara. Aconselho a levar o lanche de vocês. Nós não fizemos isso, por isso tivemos que comprar os sanduíches naturais que eles faziam. Saborosos. Custou R$ 15,00 cada.

O banho no mar é uma delícia, mas a água é gelaaaaaada. Entrar não era a coisa fácil. Permanecer foi mais tranquilo. Voltar depois é mais difícil. Mas o lugar é muito bonito. Costumam fazer ali encontros de mochileiros. Armam barracas e fazem sua festinha particular. Nada que agrida a natureza. Não se pode deixar lixo no local (como em qualquer outra praia, não é minha gente), até porque é se trata de um Parque Natural. Mas lá as pessoas apontam mesmo.

Depois é só enfrentar novamente a caminhada pela trilha para voltar. O passeio vale a pena. Tentem chegar cedo para aproveitar o lugar ao máximo. E não deixem para sair muito tarde da praia ou, então, vão enfrentar a trilha já escura. Ah, quem for de carro, pode deixá-lo estacionado em uns estacionamentos particulares  que existem próximos a entrada da trilha. Cobram R$ 10 o período, independentemente de quanto tempo fique lá.

Anúncios